Porque a Testosterona é tão importante para a saúde masculina

  • Posted on: 22 September 2017
  • By: gregoriana

Muitos associam a palavra testosterona a masculinidade, agressividade, ao macho alpha, sem saber de verdade o que é a testosterona. Ela nada mais é do que um hormônio segregado nos órgãos sexuais (testículos masculinos e ovários femininos), mas também pode ser excretado pelas glândulas suprarrenais.
As mulheres também produzem e precisam de testosterona. Entretanto, a quantidade do hormônio produzido por homens é, em média 7 ou 8 vezes maior em homens do que em mulheres. Por isso a testosterona é sempre ligada a masculinidade.

A importância da Testosterona no organismo masculino
A grande e mais importante função da testosterona no organismo masculino é o desenvolvimento do sistema reprodutor masculino (pênis, testículos, próstata e produção de esperma). Secundariamente, a presença desse hormônio no organismo masculino é que determina as já conhecidas caracterizas do homem, como massa muscular e óssea maior do que nas mulheres, a presença de barba e pelos corporais, ombros largos entre outras feições masculinas.
No quesito emocional, a testosterona ajuda a equilibrar a saúde social, garantindo aquela sensação de bem-estar. A testosterona também estimula a produção de energia no corpo do homem, além de preveni uma série de doenças como osteoporose, câncer e doenças cardiovasculares.
Sempre associada ao comportamento masculino, a testosterona é que determina a agressividade, impulsividade, raiva e outros comportamentos territoriais e competitivos que os homens têm. Esse comportamento explosivo que muito homem tem é um resquício evolutivo do macho alpha dos períodos pré-históricos, que era o responsável pela caca, segurança e sobrevivência da família ou tribo.

Baixos níveis de Testosterona

Por ser tão essencial ao organismo em uma infinidade de funções, a baixa produção de testosterona pode ocasionar uma série de problemas. Em geral com o envelhecimento, a produção desse hormônio cai drasticamente, mas há outros fatores que podem explicar baixos níveis de testosterona. Alguns deles podem estar relacionados ao estilo de vida (má alimentação, excesso de peso, obesidade, sedentarismo), a pré-disposições genéticas ou outros fatores. Os principais sintomas de baixa testosterona são facilmente identificados, mas o ideal é consultar um médico para ter um diagnóstico completo.
• Súbita sonolência após refeições;
• Pouca energia e fadiga constante;
• Alterações grandes de humor em pouco tempo;
• Irritabilidade e nervosismo;
• Redução da fertilidade e da libido;
• Depressão e baixa autoestima;
• Insônia e dificuldades para dormir;
• Memoria ruim subitamente;
• Fraturas e fraqueza óssea por conta de osteoporose;
• Perda repentina de massa muscular;
• Aumento rápido de gordura e circunferência abdominal;
• Glicemia alta e pré diabetes.

É normal o homem experimentar uma queda pronunciada na produção de testosterona após os 50 anos de idade. Entretanto, baixos níveis de testosterona afetam, em média 30% dos homens com idade superior a 50 anos, e 60% deles em idades entre 50 e 80 anos de idade.
Muitos homens focam apenas na questão do desempenho sexual e da baixa libido como efeitos da baixa produção de testosterona. Entretanto, a testosterona afeta seriamente o humor e o comportamento do homem. Baixos níveis desse hormônio podem ser uma explicação para sintomas depressivos e de baixa autoestima em homens.

Reposição Hormonal

O diagnóstico de baixa testosterona é feito por meios de exame de sangue e de imagem, que irão determinar a causa e os efeitos que a baixa desse hormônio estão causando no organismo do homem. O termo reposição hormonal é conhecido das mulheres na menopausa (após os 50-60 anos de idade) e é um certo tabu entre homens, pois muitos deles não querem transparecer a imagens de impotentes ou com baixa virilidade.
Entretanto, a reposição hormonal, se realizada com acompanhamento de um médico responsável que irá determinar as doses de testosterona necessárias, pode devolver a vitalidade para o homem. Por receio e medo do diagnóstico e do tratamento, muitos homens acabam procurando alternativas para repor a testosterona em falta, por meio de suplementos e anabolizantes.
Além de extremamente perigoso, o uso dessas substancias (vale lembrar que os anabolizantes são proibidos) sem o acompanhamento de um profissional de saúde pode trazer consequências graves a saúde. O excesso de testosterona no organismo pode ter efeitos tão, ou mais devastadores que a falta dela. Por isso, é essencial perder o medo e a vergonha e consultar um profissional de saúde, que irá realizar o diagnóstico e irá definir o melhor tratamento para cada caso.

Estimule naturalmente a produção de Testosterona

Por mais que existam tratamentos para a reposição de testosterona em falta no organismo, eles são geralmente indicados apenas em casos mais críticos, em homens de idade avançada. Para aumentar a produção de testosterona, você não precisa colocar a sua saúde em risco. Existem algumas dicas que você pode pôr em pratica para estar de bem com o seu corpo, para que ele produza naturalmente esse hormônio tão importante.
• Se exercite. O sedentarismo é uma das principais causas de baixa testosterona;
• Tenha boas noites de sono e evite variar muito os horários que você dorme e acorda. Aquela velha dica de 7 a 10 horas de sono, de dormir entre as 10 da noite e 8 da manhã é super valida;
• Procure consumir alimentos ricos em minerais como ferro, magnésio e zinco. Folhas verde escura são excelente fonte desses minerais.
• Consuma bastante proteína, dando preferência a proteína magra como carne de porco, frango ou peixe
• Alimentos cítricos, ricos em Vitamina C como limão, laranja e kiwis são ótimos estimulantes
• Mantenha uma alimentação saudável, evitando produtos industrializados;
• Consuma alimentos ricos em ômega 3 como peixes oleosos (sardinha, salmão, atum, arenque) e frutos oleaginosos como nozes, amêndoas, amendoim e castanha;
• Se mantenha hidratado. Beba ao menos 3 litros de agua por dia;
• Pratique sexo regularmente;
• Não use roupas de baixou ou jeans e bermudas muito apertados;
• Evite banhos quentes por longos períodos.